sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Soneto de Separação - Vinicius de Moraes

Aproveitando a pegada Vinicius de Moraes, quero compartilhar também o belíssimo Soneto de Separação.



Esse é o vídeo espetacular feito por André Tanaka. Amei.


BJS.

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

TAG - As Capas mais Bonitas da Minha Estante


Hoje vou mostrar as capas que mais gosto da minha estante: levando em consideração que tenho poucos livros.


O primeiro que escolhi foi: "Harry Potter - Film Wizardry"; Ele é capa dura, com detalhe em alto relevo, até na lombada - LINDA; e pelo que conferi a Panini fez um ótimo trabalho na edição brasileira.



A segunda foi a do livro "As Crônicas de Nárnia - Volume Único (que é parecida com a Americana)



A terceira capa que escolhi é a do "O Conto de Beedle, o Bardo", que se fosse em capa dura seria PERFEITA, a diagramação achei muito bonita também, pena que esse cuidado eles não tiveram com "Quadribol através dos Séculos" e "Animais fantásticos e onde habitam".



A quarta capa também é da J. K. Rowling, mas com seu pseudônimo: Robert Galbraith




A quinta capa que escolhi é do Dan Brown - O Símbolo Perdido: com os símbolos em relevo.



A sexta capa também é do Dan Brown - Inferno, amei essa capa (a mais linda dos livros do Dan, e achei as duas capas linda, embora tenha gostado mais da primeira - que foi usada aqui no Brasil)



Não poderia deixar de falar das capas da Trilogia Jogos Vorazes (que manteve o padrão americano): e vamos combinar, que a Rocco fez um trabalho muito melhor quem nas edições de Harry Potter.



E para finalizar as capas da Trilogia Mundo de Tinta: meu amorzinho. E além de amar a capa, amo a diagramação desses livros, capa capítulo começa com uma epigrafe que está relacionada com o capítulo, e se encerra com uma ilustração também relacionada com o que foi apresentado no capitulo. As capas foram elaborada pela própria autora.


Essas são as capas que mais gosto, claro que conforme for aumentando minha coleção vão surgir outras, mas por enquanto é isso. Espero que gostem. BJS.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Viajei com: O Símbolo Perdido - Dan Brown

Olá, estamos na penúltima resenha do “Especial Dan Brown” – o livro de hoje é O Símbolo Perdido – quinto livro do Dan. Não foi um livro que agradou muitos fãs do autor, mas eu gostei, embora não seja meu preferido.


Vamos à obra: Após as aventuras vividas em Anjos e Demônios e O Código Da Vinci, Langdon se vê novamente em apuros ao receber um convite em nome de seu grande amigo e mentor, Peter Solomon, para proferir uma palestra no Capitólio em Washington. Mas ao chegar ao local... nada – nem palestra, nem Peter, nada. Langdon descobre que fora atraído até ali por Mal’akh – que acredita que os maçons de mais alto grau (grupo ao qual Peter pertence) tenham escondido a fonte de poderes extraordinários sob o Capitólio, e conta com ajuda de Langdon para decifrar as pistas e chegar até essa fonte, e para garantir a cooperação de Robert, Mal’akh sequestra Peter.
O tempo está correndo, e nessa aventura Langdon conta com a ajuda de Katherine, irmã de Peter, que é uma renomada cientista da área da Noética - disciplina que estuda os fenômenos subjetivos da consciência, da mente, do espírito e da vida a partir do ponto de vista da ciência: de forma geral estuda o poder da mente.
Não bastasse a perseguição de Mal’akh, os dois precisam fugir de agentes do Escritório de Segurança da CIA – agência que criada para fiscalizar a própria CIA.

Como nos outros livros do autor – aventura ocorre em poucas horas – e nada é o que parece ser – preparem-se para surpresas e reviravoltas – não é o melhor do Dan, mas fica recomendado – pois as descrições de Dan Brown falem muito a pena.

Caso queira comprar o livro, é só clicar no LINK, e se você comprar QUALQUER livro por esse link você ajuda o blog sem nenhum custo adicional. Beijos e até a próxima.

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Soneto de Fidelidade - Vinicius de Moraes

OLÁ, hoje quero compartilhar com você um dos mais lindos poemas de Vinicius de Moraes.


Esse é o vídeo dele declamando o poema ao som de Tom Jobim: é muito amor num vídeo só.



quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Adaptações Cinematográficas


Hoje vou falar um pouquinho sobre adaptações literárias e minhas experiências com algumas adaptações.
Qual leitor, que ao descobrir que um livro que gostou muito será adaptado ou já tem uma adaptação para o cinema ou televisão, não fica ansioso para ver determinada cena, ou algum detalhe??? Pois é, creio que todos os leitores já passaram por isso.
Beleza... Então chega o momento de assistir ao filme (ou série), e vai chegando perto da tão aguardada cena, é a qualquer momento e...



É isso mesmo, ela foi CORTADA ou totalmente ALTERADA. COMO ASSIM??????????



QUE LEGAL! OK, entendemos o significado da palavra “adaptação”, mas isso não evita a decepção, e em alguns casos alteram tanto a história que é um milagre o nome da adaptação permanecer igual ao da obra original.
Pode parecer estranho, mas costumo assistir primeiro a adaptação e depois ler o livro. Por que assim o melhor fica para o final, e não crio expectativas em determinadas cenas. O maior problema disso são os “spoiler” no filme, mas como não ligo para spoiler, então fico mais satisfeita vendo o filme primeiro.
Foi o que aconteceu com Harry Potter, conheci a série através do primeiro filme, e continuei seguindo a série através dos filmes até A Ordem da Fênix (pois não tinha dinheiro para comprar os livros, não encontrava ninguém para me emprestar e nem tinha como ler na versão digital). Até encontrar uma alma bondosa (Ana Flávia Mesquita Alencar – BJS), me emprestar O Enigma do Príncipe (que foi o primeiro que li).


E em O Enigma do Príncipe temos uma cena que eu pessoalmente (e sei que muitos outros fã também queria muito ter visto), que ocorre quando Harry é impedido de jogar e de assistir ao jogo, devido a uma detenção com Snape, e Gina joga em seu lugar. Após a detenção ele saiu desesperado para saber o resultado do jogo. Segue o trecho de quando ele entra no Salão Comunal:

– Vencemos! – berrou Ron, pulando à sua frente, sacudindo a taça de prata. – Vencemos! Quatrocentos e cinqüenta a cento e quarenta! Vencemos!
Harry olhou para os lados; lá estava Gina correndo ao seu encontro; ela tinha uma expressão dura e intensa no rosto ao atirar os braços ao seu pescoço. E, sem pensar, sem planejar, sem se preocupar com o fato de que cinqüenta pessoas estavam olhando, Harry a beijou.
Decorridos longos minutos, ou talvez tenha sido meia hora, ou possivelmente vários dias ensolarados, eles se separaram. A sala ficara muito silenciosa. Várias pessoas assoviaram e houve uma erupção de risadinhas nervosas. Harry olhou pra cima da cabeça de Gina e viu Dino Thomas segurando um copo esmagado na mão, e Romilda Vane com cara de quem queria atirar alguma coisa neles. Hermione sorria exultante, mas o olhar de Harry procurou Rony. Encontrou-o finalmente, ainda segurando a taça com a expressão de quem levara uma bordoada na cabeça. Por uma fração de segundo eles se olharam, então Rony fez um discreto aceno com a cabeça que Harry entendeu como “Bem, se não tem mais jeito”.
A criatura em seu peito rugiu triunfante, Harry sorriu para Gina e fez um gesto mudo indicando a saída do buraco do retrato. Um longo passeio pelos jardins parecia mais indicado, durante o qual, se tivessem tempo, poderiam discutir o jogo.

Queria MUITO ver essa cena.

Dando sequência das decepções nas adaptações, temos uma cena em As Relíquias da Morte, onde Lupin se oferece para acompanhar Harry, deixando Tonks grávida, por ter medo de seu filho nascer com lincantropia (ser lobisomen, assim como ele), mas Harry passa o sermão em Lupin e os dois brigam, segue o trecho:

– A minha espécie normalmente não procria! Ele será como eu, estou convencido. Como poderei me perdoar, quando conscientemente corri o risco de transferir a minha deficiência a uma criança inocente? E se, por milagre, ela não for como eu, então estará melhor, mil vezes melhor sem um pai do qual sempre se envergonhará!
– Remo! – sussurrou Hermione, os olhos marejados de lágrimas. – Não diga isso, como uma criança poderia ter vergonha de você?
– Ah, não sei, Hermione – disse Harry. – Eu teria muita vergonha dele.
Ele não sabia de onde vinha sua raiva, mas o sentimento o fizera se levantar também. A expressão de Lupin era a de quem tinha sido esbofeteado por Harry.
– Se o novo regime acha que os que nasceram trouxas são criminosos, que fará com um mestiço de lobisomem cujo pai pertence à Ordem? Meu pai morreu tentando proteger a mim e a minha mãe, e você acha que ele lhe diria para abandonar seu filho e nos acompanhar em uma aventura?
– Como… como se atreve? – disse Lupin. – Não se trata de um desejo de… correr riscos ou obter glória pessoal… como se atreve a insinuar uma…
– Acho que você está sendo audacioso – disse Harry. – Querendo ocupar o lugar de Sirius…
– Harry, não! – suplicou Hermione, mas ele continuou a encarar o rosto lívido de Lupin.
– Eu nunca teria acreditado – continuou Harry. – O homem que me ensinou a combater dementadores… um covarde.
Lupin sacou a varinha tão rápido que Harry mal teve tempo de apanhar a própria; seguiu-se um forte estampido e ele sentiu arremessado para trás como se tivesse levado um murro; ao bater contra a parede da cozinha e escorregar para o chão, viu a ponta da capa de Lupin desaparecer pela porta.

O David Thewlis (que interpretou o Lupin) é fantástico, foi o Lupin perfeito. Essa cena... Essa cena ficaria incrível, mas...
Outro livro que me deixou ansiosa para ver uma cena e na hora H “fiquei a ver navios” foi O Código Da Vinci – Dan Brown. A cena em questão retrata o Departamento de Teologia e Estudos Religiosos do King's College, “fundado por Jorge IV, em 1829, tem o seu Departamento de Teologia e Estudos Religiosos num terreno doado pela coroa, contíguo ao Parlamento. O Departamento de Religião do King’s College orgulha-se não só dos seus cento e cinquenta anos de experiência nas áreas do ensino e da pesquisa, mas também da criação, em 1982, do Instituto de Pesquisa de Teologia Sistemática, dotado de uma das mais completas e electronicamente avançadas bibliotecas de pesquisa religiosa do mundo”. E no filme, Robert e Sophie fazem a pesquisa em palmtop dentro do ônibus a caminho do Departamento (ou seja, só assanharam e nada de mostrar a tal biblioteca).
Vou ficar apenas nessas três cenas... Mas na expectativas por A Esperança – parte 1 e parte 2 ( novembro de 2014 e novembro de 2015) e Cadeira de Prata (só Deus sabe).

Bom, esse foi o post de hoje, espero que tenham gostado. Peço que quem gostou ajude a divulgar o blog. E quero ver os comentários de vocês: Quais cenas desejaram ver e quando chegou na hora, CADÊ??? BJS e até Segunda.

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Viajei com: O Código Da Vinci

Olá, estamos na metade do “Especial Dan Brown”. A resenha de hoje será sobre O Código Da Vinci, que foi o primeiro livro do Dan Brown a estourar e a ser traduzido para o português – embora não foi o que mais gostei. Depois de todo alvoroço em torno dessa obra, as outras três (Fortaleza Digital, Anjos e Demônios e Ponto de Impacto) foram traduzidas e publicadas no Brasil.
Esse foi o primeiro que li do Dan: havia pouco tempo que o filme tinha estreado, quando minha professora de Português fez um sorteio na sala – metade leria O Mundo de Sofia (Jostein Gaarden) e a outra metade leria O Código Da Vinci, que foi o que saiu para mim.
               


Vamos à obra: o curador do Museu do Louvre, Jacques Saunière é perseguido e mortalmente ferido dentro do Museu, mas antes de morrer ele consegue deixar uma mensagem enigmática. Essa mensagem acaba tornando o professor Robert Langdon o principal suspeito do assassinato do curador.
Ajudado por Sophie Neveu (adoro esse nome), criptografa e neta de Saunière, tenta escapar de uma casada implacável da policia francesa, e decifrar as mensagens enigmáticas deixadas por Jacques – que era membro de uma sociedade secreta responsável por guardar um segredo que se revelado abalaria toda a cristandade.
Como em todos os livros do autor, o ritmo é frenético e toda a história se passa em poucas horas. Uns dos aspectos que mais gosto dos livros do Dan Brown é as descrições dos monumentos históricos e das obras de arte – que nos fazem viajar facilmente. É fantástico.
Outra coisa que me chamou a atenção, que considerei uma sacada muito legal do Dan, foi o fato de Langdon ter o que chamamos de memória fotográfica – o que se mostra útil e importante em vários casos, não apenas nesse livro, mas em todos.
Mais um Dan Brown recomendado – mas lembre-se: não leve tudo tão a sério. Não encare os fatos expostos como verdades absolutas – afinal de contas é uma obra ficcional.
Caso queira comprar o livro, é só clicar no LINK, e se você comprar QUALQUER livro por esse link você ajuda o blog sem nenhum custo adicional. Beijos e até a próxima.

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Citação - Clarice Lispector #2

Eu de novo... Me empolguei com Clarice e passo para deixar mais uma frase dela:


PS: A foto é propaganda enganosa... kkkkkk. BJS.

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

TAG - Isso ou Aquilo?:

OLÁ, OLÁ, OLÁ viajantes literários... Quarta-feira (fim de semana se aproxima), e hoje teremos TAG, mas com uma novidade – teremos a participação da Jéssica Martins (minha aluna do 9º Ano).
Responderemos a TAG: Isso ou Aquilo? A TAG consistem em escolher entre as duas opções listadas (ISSO ou AQUILO)... Vi a TAG no vlog da Tatiana Feltrin (sim acompanho todos os vídeos dela) – foi criada pelo canal http://frappuccinomochabranco.blogspot.com/ e foi traduzido por ela. Vamos às perguntas:


1)   AUDIOBOOK OU LIVRO?


Ana: Livro, mas se o objetivo for praticar o inglês o audiobook pode ser MUITO útil na melhora da pronúncia.

Jéssica: Livro, simplesmente por que não vejo graça de escutar um livro. Se for pra ler, que seja o livro mesmo.

PONTOS PARA O LIVRO



2)  CAPA DURA OU MOLE?


Ana: Se o livro tiver a opção em capa dura é capa dura com certeza. Mas infelizmente não temos muitas opções, a maioria é em capa mole.

Jéssica: Com certeza capa dura! São mais resistentes e mais bonitas.


3)  FICÇÃO OU NÃO-FICÇÃO?


Ana: Ficção... A maioria dos livros que eu li são de ficção, mas me interesso por não-ficção. Principalmente com temática relacionadas a 2º Segunda Guerra Mundial.

Jéssica: Ficção, com certeza.


4)  FANTASIA OU VIDA REAL?


Ana: Fantasia. Embora alguns livros que são no estilo “vida real” sejam uns excelentes “tapas na cara”, que de vez em quando precisamos.

Jessica: Gosto de ler para fugir um pouco da realidade, então fantasia.


5)  HARRY POTTER OU TWILIGHT?


Ana: Respondendo “Antes de começarmos o nosso banquete, eu gostaria de dizer umas palavrinhas: Pateta! Chorão! Destabocado! Beliscão! Obrigada”. HP EVER (CORVINAL).

Jéssica: Sou suspeita para falar. Potterhead aqui \O/ (LUFA-LUFA). Então, sem comentários.



Hogwarts, Hogwarts, Hoggy Warty Hogwarts,

Nos ensine algo, por favor,
Quer sejamos velhos e calvos
Quer moços de pernas raladas,
Temos nossas cabeças precisadas
De ideias interessantes,
Pois estão ocas e cheias de ar,
Moscas mortas e fios de cotão,
Nos ensine algo que vale a pena,
Faça lembrar o que já esquecemos,
Faça o melhor, faremos o resto,
Estudaremos ate o cérebro se desmanchar.
Tradução da Rocco



6)   E-BOOK OU LIVRO FÍSICO?


Ana: Livro físico, sem nenhuma dúvida. E-book só em caso de desespero ou livro disponíveis apenas nesse formato.

Jéssica: Livro físico! O bom mesmo é segurar um livro e lê-lo, apreciar sua capa.


7)  COMPRAR OU PEGAR EMPRESTADO?


Ana: Comprar! Mulher ama comprar as coisas, então são duas realizações em um só. Ter o livro, e poder rele-lo ou pega-lo a qualquer hora é uma sensação muito boa. Mas procuro me controlar, tenho sempre uma média de 2 livros não lidos na estante.

Jessica: Comprar! Não há nada melhor que comprar um livro!

 
Sonho de qualquer leitor.



8)  LIVRO ÚNICO OU SÉRIE?


Ana: Depende. Mas se a série não está completa eu não pego para ler. Percy vou pegar para ler agora que saiu o último de HDO, todas as séries que tenho já comprei completa (parceladas no cartão, mas completas).

Jéssica: Essa é difícil... Mas acho que vou escolher livro único, pois ainda não tive o privilégio de ler nenhuma saga! RSRS.


9)  LIVRARIA FÍSICA OU ONLINE?


 Ana: Física... Entrar numa livraria é uma experiência maravilhosa, cheiro de livros, cheia de livros... Livros... Livros... MAS, onde moramos não tem livraria L. Então temos de nós contentarmos em comprar online e aproveitar as visitas a “capitar” Cuiabá para dar um pulinho no Shopping.

Jéssica: Física, sem dúvidas.


  1. 10)               LIVRO LONGO OU CURTO?


Ana: Depende do livro. Um “O Sertões”, 100 páginas já seriam o suficiente. Já “O Natal de Poirot”, com 256 li numa sentada.

Jessica: Vou ter de dizer longo! Por que dura mais! RSRS. Sinceramente fico devastada quando termino um livro. #queromais.


11) DRAMA OU AÇÃO?


Ana: Ação!

Jéssica: Gosto muito de drama, mas escolho ação! Nada como uma boa ação e aventura!


12)               LER NO SEU CANTO OU TOMANDO SOL?


Ana: Meu canto, com sol de quase 40º em Mato Grosso, ler tomando sol é muito arriscar ter uma insolação (por que quando estou lendo esqueço do mundo).

Jessica: No meu canto, mais especificamente trancada no meu quarto (o que não deixa minha mãe muito feliz!).


13)               CHOCOLATE QUENTE, CAFÉ OU CHÁ?


Ana: Quase não tomo nada enquanto leio (e o medo de sujar!), mas quando esfria (o que raramente acontece onde moro) um chá ou um chocolate quente caem bem (menos nos livros).

Jessica: Chá! Como é bom ler um bom livro num dia chuvoso tomando um bom chá...


14)               LER RESENHA OU DECIDIR POR SI?


Ana: Costumo ler resenhas (até com spoiler), se me chamar a atenção leio. Mas já comprei alguns livros sem ler resenhas e não me arrependi.

Jéssica: Eu particularmente gosto de ler resenhas, até por que sou muito indecisa, então se gostar da história eu compro!

Espero que tenham gostado. E indico a Layssa Almeida do Mistura Cult e a Karina do Livrofagia para responderem essa TAG.

Caso queira comprar alguns dos livros, é só clicar no LINK, e se você comprar QUALQUER livro por esse link você ajuda o blog sem nenhum custo adicional. Beijos e até a próxima.

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Viajei com: Anjos e Demônios - Dan Brown

Olá, essa será a terceira resenha do “Especial Dan Brown”. E o livro de hoje é Anjos e Demônios, segundo livro publicado por Brown. Quando estava lendo e as pessoas viam o título essa era a cara que faziam, e já adianto que o mesmo aconteceu com Inferno:
  

As obras de Dan abordam temas polêmicos, geralmente ligados ao desenvolvimento tecnológico – e o tema da vez é a antimatéria (vou deixar links lá embaixo caso queira saber mais sobre o tema) e a antiga rixa entre religião e ciência.



Vittoria Vectra, pesquisadora do CERN (Organização Europeia para Pesquisa Nuclear) juntamente com seu pai adotivo Leonardo Vectra, coordenam a pesquisa sobre antimatéria, e conseguem produzir uma quantidade expressiva desse material. Mas, apesar de todos os esquemas de segurança e sigilo da pesquisa, a amostra é roubada e Leonardo assassinado, e seu peito é marcado com um ambigrama:




Após observar o ambigrama, Maximilian Kohler – diretor-geral do CERN, convoca Robert Langdon – professor universitário especialista em simbologia, para ajudar a decifrar a possível participação dos Illuminati nesse complô (e assim começa a primeira aventura de Langdon). No começo Robert não acredita numa real participação dos Illuminati – pois se acredita que a muitos anos o grupo tenha se extinguido.
Mas além de matar Leonardo, o assassino sequestra os 4 padres preferido para a eleição para o papado, e ameaça utilizar a antimatéria para destruir a cidade do Vaticano, como vingança pela perseguição religiosa enfrentada pelos cientistas.
“Receita do bolo de Dan Brown”: Robert e Victoria (os mocinhos) precisam encontrar a amostra de antimatéria que foi roubada antes da meia-noite – caso contrário ela explodirá na cidade do Vaticano com um raio de destruição de aproximadamente 1 km.

Como Bióloga que sou, ADORO os livros do Dan por trazerem essa discussão sobre os avanços científicos e o efeito que essa discussão causa – pois depois de ler os livros, ou enquanto lê, você quer saber mais sobre o tema. E os livros com o Robert como protagonista trazem além da discussão cientifica inúmeras referências a obras de artes e a monumentos históricos. Então, reforçando a fala do Gabriel (do canal Cabine Literária): o melhor é você ler qualquer livro do Dan com acesso a internet do lado. Mas fica a dica: Não levem as coisas tão a sério... BJS

Links para notícias sobre Antimatéria:



sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Citação - Clarice Lispector #1

Olá, tem frase na área. E a escritora homenageada será: Clarice, maravilhosa Clarice, Diva Clarice... Sempre com suas frases lindas, perfeitas e simples (como só Clarice soube ser), mas ao mesmo tempo tão intensas e humanas. Chega de bajulação (kkk) e vamos à frase (que foi epígrafe do meu TCC).


quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Os fantásticos livros voadores do Senhor Lessmore.

Olá, hoje quero compartilhar um curta-metragem chamado: Os fantásticos livros voadores do Senhor Lessmore, vencedor do Oscar 2012 de melhor curta-metragem de animação, The Fantastic Flying Books of Mr, Morris Lessmore, no seu título original, com uma animação de Brandon Oldenburg e William Joyce, foi realizado a partir de um guião deste último. É apaixonante:


Há um livro ilustrado dessa animação que está BELÍSSIMA. Caso queira comprar o livro, é só clicar no LINK, e se você comprar QUALQUER livro por esse link você ajuda o blog sem nenhum custo adicional. Beijos e até a próxima.

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Viajei com: Ponto de Impacto - Dan Brown


Olá, a resenha de hoje será sobre Ponto de Impacto de Dan Brown, que é o terceiro livro publicado do autor, e que acaba ficando esquecido entre Anjos e Demônios e O Código Da Vinci – o que é uma pena, pois o considero uns dos melhores do Dan (dúvida cruel – entre ele e Inferno).
Vida extraterrestre e eleições – à primeira vista esses temas não parecem estar ligados de alguma forma, bom, mas Dan Brown conseguiu não só uni-los, como também conseguiu criar uma excelente história.
Reta final das eleições para presidente dos Estados Unidos – de um lado Zachary Herney, atual presidente; do outro o ambicioso senador Sedgwick Sexton.
O senador Sexton consegue uma virada impressionante ao começar a questionar os gastos excessivos da NASA (agência de exploração espacial americana) e suas falhas – que geram milhões em prejuízos.
Receitinha de bolo do Dan: Tudo muda quando a NASA encontra um meteoro enorme com mostra inquestionável de vida extraterrestre. Para que haja dúvida da veracidade do meteoro são chamados quatros renomados cientistas que irão verificar os dados obtidos pela equipe da NASA (Corky Marlinson – astrofísico; Wailee Ming – paleontólogo; Norah Mangor – glaciologista; Michael Tolland – oceanógrafo e apresentador). Também foi chamada para corroborar esses dados Rachel Sexton – que além de analista do NRO (Escritório Nacional de Reconhecimento) é filha do senador Sexton.
Até aí tranquilo... Mas, a situação piora quando surgem indícios de fraude no meteoro e os cientistas começam a ser caçados enquanto tentam descobrir quem está por trás dessa trama, traduzindo: confusão armada.



Como em Fortaleza Digital o forte do livro não é monumento histórico ou obras de artes. Os temas abordados são política, pesquisa e desenvolvimento científico. E o que mais me chamou a atenção foi o aspecto cientifico e as analises criticas feita pelo autor sobre os temas abordado ao longo da história. Recomendo Ponto de Impacto, como já disse uns dos melhores do Dan (e continua a dúvida – Ponto de Impacto ou Inferno).

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Citação - A Esperança (Suzanne Collins) #1

Momento - "Compartilhando Sofrimento"...
A parte que destruiu me emocional no livro "A Esperança" - Suzanne Collins.


POR VIA DAS DÚVIDAS


"Minha cabeça olha para os lados ao ouvir o silvo, mas leva um tempo para acreditar que é real. Como ele poderia ter chegado até ali? Examino atentamente as marcas das garras deixadas por algum animal selvagem, a pata traseira que ele mantém ligeiramente acima do chão, os ossos proeminentes em seu rosto. Ele veio a pé, então, do 13 até aqui. Talvez eles o tenham expulsado ou talvez ele simplesmente não tenha suportado ficar lá sem ela e então voltou para procurá-la.

- Você perdeu seu tempo. Ela não está aqui – digo a ele. Buttercup mia. – Ela não está aqui. Pode miar o quanto quiser. Você não vai achar a Prim. – Ao ouvir o nome dela, ele levanta a cabeça. Ergue as orelhas achatadas. Começa a miar cheio de esperança. – Vá embora! – Ele se desvia da almofada que eu jogo nele. – Vá embora! Não tem nada aqui para você! – Começo a tremer, furiosa com ele. – Ela não vai voltar! Ela nunca mais vai voltar para cá! – Pego outra almofada e me levanto para aprimorar a mira. Do nada, as lágrimas começam a escorrer pelo meu rosto. – Ela está morta. – Envolvo os braços em meu próprio corpo para aliviar a dor. Caio sobre os tornozelos, balanço a almofada, gritando: - Ela está morta, seu gato idiota. Morta! – Um novo som, parte choro, parte canto, sai do meu corpo, dando voz ao meu desespero. Buttercup começa a choramingar também. Não importa o que eu faço, ele não arreda o pé de lá. Ele anda ao meu redor, fora de alcance, enquanto onda após onda de soluços sacodem o meu corpo, até que por fim caio inconsciente. Mas ele deve ter entendido. Ele deve saber que o impensável aconteceu e que sobreviver obrigará à execução de atos previamente impensáveis. Porque horas depois, quando volto a mim na cama, ele está lá ao luar. Agachado ao meu lado, olhos amarelos alertas, protegendo-me da noite."



quarta-feira, 1 de outubro de 2014

TAG - Doenças Literárias

Hoje vou responder a TAG “Doenças Literárias”, não sei o nome do criador, mas vi no canal da Tatiane Fletrin, vou deixar o link do vídeo no qual ela responde a TAG: aqui. As perguntas da TAG relacionam livros com algumas doenças, então vamos nessa:


1. DIABETES: Um livro muito doce:



“A Moreninha” – Joaquim Manoel de Macedo, publicado em 1844. Li emprestado da biblioteca da escola, mas pretendo comprar – antes de reclamar da melosidade do livro LEMBRE-SE ele foi escrito no período do romantismo.
Sinopse: A história gira em torno de uma aposta feita entre 4 amigos estudantes de medicina - Filipe, Leopoldo, Augusto e Fabrício – nesta aposta Augusto (jovem inconstante no amor, afirmando nunca se apaixonar) se compromete a não ser apaixonar por mais de 15 dias pela mesma mulher, caso perca a aposta deve escrever um livro contando a sua derrota, e caso vença os colegas devem escrever um livro relatando a inconstância de Augusto (daí surge o livro A Moreninha). Logo no inicio eles são convidados a passarem um final de semana na ilha onde mora a avó de Filipe, onde conhecem a irmã e as primas de Filipe e o motivo da inconstância amorosa de Augusto.


AMO esse livro


2. CATAPORA: Um livro que você pegou para ler e nunca mais vai pegar de novo.

Difícil, pode ocorrer de não ter sido o livro certo no momento certo, me levando a não gostar da obrar. Mas, vamos lá.




Inocência – Visconde Taunay, publicado em 1872, classificado como transição do romantismo para o naturalista. Li como leitura obrigatória do ensino médio, o livro não me cativou, achei “deprê”, então não será relido.

Sinopse da Editora Melhoramento: Meados do século XIX, província de Mato Grosso. Imagine uma história com cara de Romeu e Julieta. No papel de Romeu, um tal Cirino, moço de bom caráter que atua como médico nos confins do sertão. Como Julieta, a bela e simples Inocência. Acrescente o cenário rural, um fazendeiro rude e autoritário e um vilão. Tempere tudo com um naturalista alemão, especializado em insetos. Prepare-se para conhecer uma típica história do romantismo regional brasileiro, que, por meio da ficção, retrata os costumes e o comportamento do sertanejo com direito a muita emoção, suspense e uma pitada de humor.



 3. CICLO MENSTRUAL: Um livro que você relê constantemente.


E Não Sobrou Nenhum - Agatha Christie, que já tem resenha no blog: link.
Simplesmente AMO esse livro, já li umas 5 vezes, um dos melhores livros de romance policial que já li.



 4. GRIPE: Um livro que se espalhou como vírus.



E aí, esperando um do John Green??? Pois é, não li nenhum dele ainda, mas pretendo ler.
O Código Da Vinci – Dan Brown, publicado em 2003. Virou uma febre quando foi lançado, e gerou uma baita polêmica. Li em 2005 para a escola, e AMEI, antes de ser apedrejada em praça publica por heresia: NÃO LEVE AS COISAS TÃO À SÉRIO, é apenas uma obra ficcional. A descrição de Dan Brown é SHOW, eu viajei a Paris nessa obra, se levarmos apenas isso em consideração já vale muito apenas ler o livro.

Sinopse: Um assassinato dentro do Museu do Louvre, em Paris, traz à tona uma sinistra conspiração para revelar um segredo que foi protegido por uma sociedade secreta desde os tempos de Jesus Cristo. A vítima é o respeitado curador do museu, Jacques Saunière, um dos líderes dessa antiga fraternidade, o Priorado de Sião, que já teve como membros Leonardo da Vinci, Victor Hugo e Isaac Newton. Momentos antes de morrer, Saunière deixa uma mensagem cifrada que apenas a criptógrafa Sophie Neveu e Robert Langdon, um simbologista, podem desvendar. Eles viram suspeitos e em detetives enquanto tentam decifrar um intricado quebra-cabeça que pode lhes revelar um segredo milenar que envolve a Igreja Católica.

Apenas alguns passos à frente das autoridades e do perigoso assassino, Sophie e Robert vão à procura de pistas ocultas nas obras de Da Vinci e se debruçam sobre alguns dos maiores mistérios da cultura ocidental – da natureza do sorriso da Mona Lisa ao significado do Santo Graal. Mesclando os ingredientes de um envolvente suspense com informações sobre obras de arte, documentos e rituais secretos, Dan Brown consagrou-se como um dos autores mais brilhantes da atualidade. 



 5. ASMA: Um livro que tirou seu fôlego.

NOVAMENTE “E Não Sobrou Nenhum - Agatha Christie”, vou falar muito dele aqui no blog, se ainda não leu esse livro LEIA, é muito bom.



 6. INSÔNIA: Um livro que te tirou o sono.


Nesse caso não foi um, e sim 4 – os quatro livros da série As Brumas de Avalon – Marion Zimmer Bladley, que comprei por indicação da Tatiane Feltrin. Quando estava próxima do fim dos livros dava uma estendida na leitura – por que estava LOUCA para saber o que ia acontecer. A série é simplesmente maravilhosa. Há alguns livros que antecedem a série que pretendo ler futuramente, e estão na minha lista.
Sinopse: A Senhora da Magia, A Grande Rainha, O Gamo-Rei e O Prisioneiro da Árvore são os quatro volumes que compõem As Brumas de Avalon - a grande obra de Marion Zimmer Bradley -, que reconta a lenda do rei Artur através da perspectiva de suas heroínas.

Guinevere se casou com Artur por determinação do pai, mas era apaixonada por Lancelote. Ela não conseguiu dar um filho e herdeiro para o marido, o que gera sérias conseqüências políticas para o reino de Camelot. Sua dedicação ao cristianismo acaba colocando Artur, e com ele toda a Bretanha, sob a influência dos padres cristãos, apesar de seu juramento de respeitar a velha religião de Avalon.  Além da mãe de Artur, Igraine e de Viviane, a Senhora do Lago que é a Grande Sacerdotisa de Avalon, uma outra mulher é fundamental na trama: Morgana, a irmã de Artur. Ela é vibrante, ardente em seus amores e em suas fidelidades, e polariza a história com Guinevere, constituindo-se em a sua grande rival. Sendo uma sacerdotisa da Avalon, ela tem a Visão, o que a transforma em uma mulher atormentada. Trata-se, acima de tudo, da história do conflito entre o cristianismo, representado por Guinevere, e da velha religião de Avalon, representada por Morgana. Ao acompanhar a evolução da história de Guinevere e de Morgana, assim como dos numerosos personagens que as cercam, acompanhamos também o destino das terras que mais tarde seriam conhecidas com Grã-Bretanha. As Brumas de Avalon evoca uma Bretanha que é ao mesmo temo real e lendária - desde as suas desesperadas guerras pela sobrevivência contra a invasão saxônica até as tragédias que acompanham Artur até a sua morte e o fim da influência mítica por ele representada.

Igraine, Viviane, Guinever e Morgana revelam através da história de suas vidas e sentimentos a lenda do rei Artur, como se ela fosse nova e original.



 7. AMNÉSIA: Um livro que você leu mas não se lembra muito bem.


O Quinze – Rachel de Queiroz, publicado em 1930. Apenas me lembro que o livro retrata a seca de 1915, e a história de uma família de retirantes. Apesar de não lembrar da obra, um trecho ficou gravado:


“E Chico Bento pensava: ‘Por que, em menino, a inquietação, o calor, o cansaço, sempre aparecem com o nome de fome?’.”


Sinopse: O Quinze foi o primeiro e mais conhecido romance da escritora. A história se dá em dois planos: um enfocando o vaqueiro Chico Bento e sua família; o outro, a relação afetiva entre Vicente, rude proprietário e criador de gado, e Conceição, sua prima culta e professora. Conceição é apresentada como uma moça amante dos livros e com tendências feministas e socialistas. O período de férias, ela passava na fazenda da família com a avó Mãe Nácia, no Logradouro, perto do Quixadá, onde morava seu primo Vicente. Com o advento da seca, a família de Mãe Nácia decide ir para cidade e deixar Vicente cuidando de tudo, resistindo. No segundo plano, Rachel apresenta a marcha trágica do vaqueiro Chico Bento com sua mulher e seus cinco filhos, representando os retirantes. Ele é forçado a abandonar a fazenda onde trabalhava. Com algum dinheiro, mantimentos e um animal, ruma para o Norte, onde há a extração da borracha. No percurso, o filho mais novo morre envenenado e o mais velho desaparece. Ao chegarem no campo de concentração, são reconhecidos por Conceição, sua comadre, que vai lhes prestar ajuda. Rachel conseguiu exprimir os anseios e angústias da sua região brasileira. Estou precisando reler. 


 8. DOENÇAS DE VIAGEM: Um livro que te leva pra outra época/ mundo/lugar.


A minha eterna PAIXÃO: Harry Potter, que dispensa qualquer apresentação, e a J. K. Rowling é FABULOSA na descrição, viajamos fácil, fácil para Hogwarts. Conheci a saga através do primeiro filme, no começo do ano letivo de 2002 minha professora de Português trouxe para assistirmos, tenho apenas 2 palavras para dizer a ela:


 

MUITÍSSIMO OBRIGADA POR ME APRESENTAR AO QUE CONSIDERO A MELHOR SÉRIE DO MUNDO (que fique claro: essa é a MINHA opinião).

Caso queira comprar o livro, é só clicar no LINK, e se você comprar QUALQUER livro por esse link você ajuda o blog sem nenhum custo adicional. Beijos e até a próxima.